Ao excluir a Grécia da sua reunião, o Eurogrupo age a favor do Grexit

Eurogrupo_logo

Como represália ao anúncio de um referendo na Grécia sobre o “plano de ajuda” da UE, BCE e FMI, os ministros das Finanças, reunidos no Eurogrupo este sábado em Bruxelas, recusaram de forma categórica o prolongamento do programa de ajuda atual por um mês pedido pela Grécia para poder realizar o referendo previsto par 5 de julho.

Depois do acordo sobre os termos de um comunicado muito duro que

  • acusa a Grécia de ter rompido as negociações unilateralmente as negociações, e
  • afirma que o programa de ajuda termina a 30 de junho, o que significa colocar a Grécia em falência nessa data,

os ministros do Eurogrupo continuaram a reunião sem o ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, para discutir as consequências daquela decisão. Com este gesto, os dezoito disseram simbolicamente que a Grécia já não faz parte da zona euro.

Ao decidirem colocar os gregos à fome a partir de 3ª feira, o Eurogrupo colocou um ponto final ao golpe de estado financeiro iniciado pelo BCE, a 4 de fevereiro, contra o governo do Syriza resultante das eleições de 25 de janeiro. Um “golpe de estado”, aliás caucionado por François Hollande. É verdade que Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia, tinha dado o sinal ao afirmar, a 29 de janeiro:

“Não pode haver escolhas democráticas contra os tratados europeus.”

No seio da União Europeia não se consulta o povo. Esta proibição, que constituía uma espécie de cláusula secreta do tratado de Lisboa, não pode ter exceções desde que se trate de política económica. Para os neoliberais que comandam a União europeia, a economia é uma espécie de lei natural que não pode ser discutida de forma alguma. Sobrepõe-se portanto à democracia. Isto é totalmente insuportável.

Tradução do artigo de Michel Soudais no Politis

Anúncios

3 thoughts on “Ao excluir a Grécia da sua reunião, o Eurogrupo age a favor do Grexit

  1. Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia afirmou a 29 de janeiro:

    “Não pode haver escolhas democráticas contra os tratados europeus.” Portanto, conclui-se que é inútil haver eleições nos países do Eurogrupo. Sempre é uma actividade em que podemos economizar dinheiro e papel.

    Gostar

  2. A UE deveria ter pago a dívida da Grécia, desde o inicio e não se comportar como agiotas; proibir qualquer empréstimo até 10 anos depois de devolverem tudo a uma taxa de 0% e oferecer consultadoria para resolverem os problemas. Ninguém pode viver de empréstimos. O que tem sido feito é humilhante e só adiaram o problema por mais tempo. Confrontados com a realidade o povo Grego e seus políticos chegariam rapidamente a uma solução, como acredito que vão chegar. Mas é uma solução deles, não da Alemanha ou de outro pais.
    Com a situação da Grécia a minha confiança na UE está totalmente destruída.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s