O Barco Pirata (Το Πειρατικό)

greekgoal05

Em 2004 a Grécia qualificou-se para o Euro por uma unha negra. Não acontecia há 24 anos. Nas apostas, disputava com a Letónia o último lugar com uma probabilidade de ganhar o campeonato estimada em 1 contra 150. A vitória contra Portugal (por 2-1), logo no jogo de abertura, deu à seleção helénica a alcunha de “barco pirata”. Passou aos quartos-de-final por um triz, eliminou a França, qualificou-se para a final derrotando a República Checa. E, numa circunstância inédita, a final do Euro de 2004 foi igual ao jogo de abertura… – o resultado também.

Confesso que percebo pouco de futebol e serve a estória apenas para dizer que não há canoa que não possa dar em barco pirata, se a força for suficiente e a vontade for grande. Força: segundo as últimas sondagens, o governo de Tsipras seria eleito com votação idêntica à de janeiro se as eleições fossem hoje, e Varoufakis continua a ser apoiado pela maioria da população. Vontade: a maioria dos gregos afirma querer uma solução de compromisso e recusa a saída do euro.

Duzentos milhões de euros esta sexta-feira e mais 750 milhões a 12 de maio, são os montantes devidos pela Grécia ao FMI nas próximas duas semanas. Em breve, também, irão vencer montantes devidos ao BCE. Acresce ao estrangulamento helénico, a decisão de Draghi, em Fevereiro, de deixar de aceitar dívida pública grega como garantia nos empréstimos a bancos.

É neste cenário que decorrem as negociações que permitiriam à Grécia aceder à última tranche do empréstimo da troika (7,2 mil milhões de euros). Em causa nas negociações não estão decisões que permitam à Grécia, ou sequer à zona Euro, recuperar o crescimento económico: já não devem faltar muitos nóbeis da economia a pronunciar-se sobre a insensatez da política económica da UE de 2010 a esta parte, bem como da razoabilidade das propostas do governo Grego. O que está em causa é uma demonstração de poder. É necessário remeter o único governo europeu eleito com um programa anti-austeridade ao seu papel de obediência, não vá mais alguém ter ideias.

Mas para o governo de Tsipras, é justamente a legitimidade democrática que está em causa. O governo grego já deixou claro que não implementará um programa que não levou a votos – e isso inclui tanto prosseguir a política de austeridade, como optar por uma saída da moeda única. Apesar de continuar a afirmar o seu otimismo no resultado das negociações, o primeiro-ministro Tsipras deixou claro numa entrevista recente que a prioridade do governo é pagar salários e pensões, não é pagar a credores.

Deixou claro, também, que na eventualidade das negociações falharem, será convocado um referendo. Ou seja, se o resultado das negociações inviabilizar o mandato do governo grego,  será com legitimidade eleitoral que a Grécia responderá. De canoa a barco pirata, se tiver que ser, em nome do respeito pela democracia. E não, desta vez o ato de pirataria não será uma derrota nossa.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s